PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Carta aberta para Maraísa: obrigada por mostrar que é ok ser solteira

Soltos S.A.

16/03/2020 04h00

Querida Maraisa, nossa diva solta!

Semana passada rolou uma chuva de matérias divulgando um desabafo seu no Twitter sobre sua recém solteirice:

"Essa fase solteira da gente em que todos os amigos pensam que você está sofrendo e querem arrumar todo homem que passa pela frente é um pouco estressante"

Vimos que essa semana já estão rolando novos ares né? Que bom, nada como se abrir e se permitir viver novas histórias. Esperamos que você esteja feliz!! Nós somos soltos do time "afeto sem moderação"! Se as coisas tão gostosas, por que não se jogar de cabeça e de coração e pagar pra ver né?

Mas essa carta, mais do que pra desejar muita alegria nesse novo romance,  é pra falar como é importante que mulheres incríveis como você falem sobre a solteirice como uma escolha e um espaço de autoamor e descoberta. Faz mais de uma ano que estamos conversando com vários especialistas e com todos tipos de solteiros no nosso canal do Youtube, Instagram (e agora também nessa espaço aqui!) e olha, tá todo mundo penando pra sobreviver à solteirice em tempos de likes.

2020 E SER SOLTEIRA AINDA É UM "PROBLEMA"

É uma loucura o quanto julgam a gente pelo status de relacionamento do Facebook. Não basta você ser uma mulher mega empoderada, que transborda carisma e que toca o coração de milhões de brasileiros com 3,8 bilhões de views no YouTube (ou seja, se a gente dividisse pelo mundo todo, você já teria segurado a onda de metade do planeta!). Parece que mulher bem-sucedida não é aquela que impacta milhões e sim aquela que esfrega seu +1 nas festas de família e, no seu caso, nas matérias da revista.

Veja também

Você tá com 32 agora né? A Carol aqui tá com 36 e o André tá com 35. Pra ele ninguém fala nada. Pelo contrário, homens solteiros acima de 30 todo mundo pensa "ah, mas ele deve tá aproveitando…".  Já ela, desde que passou dos 30, desceu uma "casta" no status social em relação às amigas casadas. A sensação é de ela "já estourou o cronograma" e está na prorrogação da vida amorosa.

Rola uma espécie de relógio na tela do Silvio Santos contando os segundos que faltam para ela ter a possibilidade de ter uma família Doriana. O pior é que os próprios crushes às vezes já te julgam no date. Você ali ainda tentando entender se vai querer beijar o cara, e ele te enxergando como um ovário ambulante. Primeiro que nem  toda mulher sonha em ser a mãe da família de comercial de TV. Depois, mesmo que queira ter filhos, isso não significa que precisa ser pra ontem.  Ó, eu (Carol) já congelei os óvulos aos 33 e, segundo os médicos, posso usar os tais óvulos numa boa até os 50. A estilista Cris Barros teve a primeira filha com 46, belíssima! Ou seja, dá pra você curtir esse novo amor que tá começando 100% relaxada, só focando em vocês dois. Não deixa ninguém ficar te enchendo com aquelas perguntas clichês de "mas vocês já pensam em formar uma família", "já falaram em filhos?". Tudo a seu tempo. E que esse tempo seja quando VOCÊ quiser. 

Voltando à solteirice (por que nós dois aqui estamos solteiros e um montão de gente que tá lendo também)

SOLTEIRICE NÃO É GRIPE, NÉ?

Você também sofria com aquele olharzinho de pena dos amigos, da família, do povo que vai te entrevistar? Você chegando ótima pra tomar um chope com os amigos e o povo só pensando "coitada… não conseguiu um amor", enquanto sorriem com canto de boca e te dão aquele abracinho passando a mão nas suas costas como se tivessem segurando sua barra de mulher "encalhada". E aí, o que os seus amigos fazem? Vêm todo solícitos e resolvem te salvar desse limbo apresentando alguém que vai ser a sua tábua de salvação e que "é a sua cara" (que convenhamos,97,3% das vezes, vocês não têm absolutamente nada a ver). E depois do mico da apresentação, você ainda tem que passar pelo constrangimento de ficar um jantar inteiro com seus amigos forçando a barra pra criar uma intimidade entre vocês, que claramente não vai rolar. Todo esse empenho dos nossos amigos é bem "estressante", como você disse no seu tweet. 

Mas não fica brava com seus amigos. Infelizmente não são só eles que tentam fazer essa linha cupido. A Carol, que já tem anos de solteirice nas costas, já passou por essas saias-justas com família (a avó ficava querendo apresentar o neto da senhorinha de 90 anos que jogava carteado com ela); com os colegas de trabalho (que fazem um alvoroço toda vez que entra um solteiro novo no escritório) e até com a diarista (a Judite passou anos tentando empurrar o Claudio, um jornalista boa pinta com uma casa linda que ela limpava às quintas-feiras).

Essas pessoas até estão bem intencionadas, mas no fundo o que elas não entendem é que TÁ TUDO BEM COM A GENTE. Apesar do Aurélio definir a palavra solteiro como "carente, falto de alegrias", a nossa luta no soltos S.A. é que para que as pessoas entendam de uma vez por todas que não tá faltando nada na vida solteiro. Tá bom, talvez estejam faltando algumas coisas. Afinal de contas, quem não quer ter mais tempo e força de vontade pra poder cumprir o objetivo de ir três vezes por semana na academia ou fazer aquela viagem para o Tahiti? Mas essas faltas não são exclusivas dos solteiros, a gente já ouviu muita amiga casada chorando as pitangas e imaginamos que você também. O importante é, não precisamos de ajuda de ninguém pra acabar com nosso "sofrimento", simplesmente porque estamos ótimas com a nossa solterice. 

Maraísa sua diva, você tá puxando uma outra tendência e abrindo mais espaço pras mulheres.

A gente já te amava por você ser uma das precursoras do feminejo. Você e a Maiara deram voz a assuntos que antes só eram permitidos virar letra de música cantada por homem. Quem disse que só eles podem falar de beber até cair, ir ao motel, chorar em bar e dar o toco? Mulher pode sim curtir uma pegação, dar uma exagerada e administrar mais de um contatinho ao mesmo tempo. Obrigada por legitimar nossa vida solta com letras maravilhosas. Outro dia a gente colocou uma playlist de vocês no almoço de família e até o tio Fausto, aquele mais caretão, cantou. É assim que vamos quebrando os tabus na família né?

Pois bem, agora queremos te agradecer por quebrar mais um tabu. Solteirice é tendência e vai ser o novo normal daqui pra frente. Entrevistamos uma futurologista e ela nos disse que já existe um termo para o preconceito contra os solteiros, o "solteirismo" e, em breve, poderemos processar a nossa própria avó quando ela disser "desse jeito você vai ficar pra titia". Sabe aquele seu tweet "eu nasci foi pra ser solteira mesmo, pra ser a titia". Se alguém te xoxar por isso já sabe né? Advogado neles! 

E quem acha que os solteiros são uma minoria, estão completamente enganados. No Brasil segundo o IBGE, mais de 60% dos brasileiros acima de 15 anos estão solteiros e os divórcios cresceram 160% nos últimos 10 anos. Minha avó vivia falando pra mim "corre por que os melhores casam antes". Sua família também te pressiona? Agora você pode usar esses dados pra acalmar os ânimos de toda a terceira idade familiar e contar que vai ter muita gente na repescagem.

Estudando a solteirice a gente descobriu que vamos viver numa eterna "repescagem":  ao invés de viver o "felizes para sempre", vamos todos ter muitos amores e desamores ao longo da vida. (ainda bem né?). Olha aí a oportunidade pra vocês! Vai ter muita dor de cotovelo pra te inspirar nas letras e um público crescente precisando afogar as mágoas cantando alto suas músicas. 

E se for pra deixar de ser solteira, que valha muito a pena e que seja por inteiro

Amamos que você falou que você é dessas que "depois de um beijo de balada te levo pra cama e eu ainda digo que amo te prometo o mundo!". Num mundo onde todo mundo quer se fazer de desapegado e tá sempre no joguinho do "quem se importa menos", se jogar de cabeça e abrir o coração é para os fortes. Obrigada por acabar de nos dar mais um exemplo de como ser vulnerável! Focar numa história e pagar pra ver podem ser atitudes maravilhosas, que criam relações mágicas já no comecinho. A gente amou ver sua foto com seu novo amor e queremos incentivar o povo todo a tirar mais fotos com os crushes novos, sair mais de mão dada em público, se permitir ser fofo sem medo. Se tá gostoso, por que não né?

No nosso canal, temos duas bandeiras: o "piranhismo romântico" e o "casual com afeto". A gente quer incentivar as pessoas a serem mais carinhosas, mais desarmadas; a oferecerem um café da manhã com ovo mexido no dia seguinte, se permitirem chamar a pessoa de lindo num segundo date ou até mandar uma mensagem com um emoji fofo e um "pensando em você". Vendo suas fotos com o novo moço já sacamos que você é super do time #casualcomafeto. Olha aí, nossas vidas se juntando de novo! O mundo não seria muito melhor se todos os crushes fossem fofos e carinhosos?

Maraisa, obrigada por mostrar à outras mulheres que não tem nada de errado em estar solteira e fazer com que elas se sintam menos julgadas e pressionadas. Assim como você, a gente quer dar voz às dores e as delícias da vida amorosa dos solteiros e ajudar esse povo todo a ter uma relação mais saudável com a solteirice. Infelizmente ainda tem muita gente topando migalhas só pra não ficar sozinha. Quando você conta o quanto curte sua vida solteira, você mostra que só vale estar com alguém se esta pessoa for somar muito. 

Obrigada, também, por mostrar que dá pra gente apostar no amor e ver no que vai dar, por mais que já tenhamos quebrado a cara muitas vezes. Você é nossa inspiração porque vive tão intensamente a solteirice e os relacionamentos como os canta.

Um beijo no coração dos seus fãs soltos,

Carol Tilkian e André Lage 

P.S.: Nosso sonho é te entrevistar. Você nos daria essa honra, solta rainha?

 

Se você quer saber como sobreviver à solteirice em tempos de likes para além dos dias de folia, segue a gente no youtube e no instagram. Toda semana a gente entrevista solteiros, especialistas e divide nossos aprendizados e teorias. Segunda e quarta estamos por aqui! Manda histórias, questões, dilemas que a gente transforma em pauta!…

Sobre os autores

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia. Comunicadores, puxam assunto até com o poste e são formados como psicólogos de boteco. Há um ano eles conversam com todo tipo de solteiros e especialistas no soltos s.a. um canal de youtube, instagram e, agora blog, pra explorar as dores e delícias dessa vida solta. Ninguém entende de solteirice como eles: já foram convidados pra falar na Casa TPM, na GNT e no podcasts Mamilos e Sexoterapia (aqui em Universa).

Sobre o blog

Um espaço para trocar estratégias para sobreviver à solteirice e aos relacionamentos em tempos de likes. Quando vale ter uma DR e quando podemos deixar morrer no silêncio? O que significa esse emoji? Assistir stories significa? Experts em solteirice e ótimos psicólogos de boteco, André e Carol compartilham dilemas reais de solteiros e mapeiam possíveis caminhos para não perder a sanidade mental nessa era de contatinhos.

Soltos