PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Jogue fora o seu crush padrãozinho e seja feliz no amor

Soltos S.A.

08/04/2020 04h00

Um principe visto de costas

Essa semana o Tinder liberou a função passaporte, que te permite mudar de localização e paquerar em qualquer lugar do mundo, e nós perguntamos pras soltas qual seria o primeiro país onde iriam à caça de novos matches. Os países mais citados foram Itália, Inglaterra, Canadá, Alemanha, Irlanda, França e Dinamarca, ou seja, o crush dos sonhos do povo era na verdade uma reprodução dos galãs de filmes. Além dos países, quando perguntamos sobre o tipo físico ideal e a maior parte das soltas disse sem pestanejar "alto e com corpo atlético"… E nós ficamos pensando o quanto o nosso gosto na verdade não é tão pessoal assim, porque se fosse realmente pessoal ele não seria tão uniforme, não é mesmo? E, mais do que isso, será que a gente não tá deixando um monte de match interessante passar simplesmente porque o nosso olhar foi formatado para perceber somente alguns tipos físicos como belos? Recorremos à história para começar nossa investigação. 

A MISS MEDIEVAL

Você sabia que ao longo da história o que era considerado belo sempre mudou mas sempre esteve associado a status social? Na idade média por exemplo, pessoas gordas e muito brancas eram consideradas lindas, isso porque a gordura significava que essa pessoa tinha dinheiro para comer o ano todo. Já os corpos magros e bronzeados dos trabalhadores que gastavam suas parcas calorias no trabalho braçal na lavouras tomando sol o dia todo eram considerados feios. Hoje o  corpo magro (ou malhado) e bronzeado é considerado "top", isso porque só pessoas ricas têm tempo e dinheiro para frequentar a academia, comer bem e ainda ficar tomando sol na piscina durante o fim de semana. Ou seja, tem muita opressão de classe por trás de um simples padrão de beleza!

Veja também

A SÍNDROME DA PAQUITA

É claro que ninguém tem que se sentir culpado ou errado por ter o gosto que tem. Essa lavagem cerebral foi feita em um processo altamente sofisticado e silencioso, desde a nossa tenra infância. Pense em todas as princesas e os os príncipes dos contos de fadas, nas paquitas da Xuxa, nos astros do pop, nos galãs de novela… Se a gente reparar bem, mudam as tramas mas os modelos de mocinho e mocinha continuam com traços físicos bem similares. Todas essas referências foram colocando na nossa cabeça que aqueles tipos eram os considerados belos por todos. E como diz o ditado, "água mole, pedra dura, tanto bate até que fura…"  não tem quem consiga se manter imune a anos a doses diárias de opressão…E não é de se estranhar que o crush dos sonhos de todos seja mais ou menos parecido.

EU SÓ GOSTO DE QUEM NÃO GOSTA DE MIM

Claro que você quer ficar com alguém que você acha bonito! Como diria Xuxa, "e quer não quer?" Só que essa pessoa também cresceu na mesma sociedade racista e gordofóbica que você. E aqui vem a má notícia: se você faz parte de 97% da população que não se encaixa nesse padrão hollywoodiano, a chance de você estar no padrão que essa outra pessoa também considera belo (e te dar um like no Tinder), é baixa. E isso nos deixa presos nesse ciclo vicioso de dar like em pessoas que fazem parte desse padrão imposto e a jogar pra esquerda um mundo de oportunidades de crushes legais – só porque ainda não desconstruirmos o nosso olhar. E os efeitos psicológicos não ficam só na vida afetiva não…

UM BEIJO PRA AUTOESTIMA E PRO AUTOAMOR

E além de moldar o nosso desejo, os tais padrões também são responsáveis por jogar nossa autoestima no pé. Todas as imagens de corpos esculpidos (com muito photoshop) e os sorrisos com facetas de porcelana nas capas de revista são vendidos como exemplos de beleza e saúde. E comparando todos aqueles tanquinhos com sua barriga, você começa a se perceber como feio ou não-saudável e a adiós autoestima! (basicamente o segredo do capitalismo). Aí quando  um desses crushes que você considera mais dentro do padrão de beleza te nota, você se sente quase agradecido e começa a fazer vista grossa caso esses crushes tenham comportamentos lixo. Não estamos falando que todos os lindos são babacas, mas que, caso eles sejam, a gente tende a relevar algumas atitudes só porque eles são lindos. Quantas amigas você conhece que vivem aceitando serem feitas de palhaças pelos príncipes "encantados"? E assim nascem os bonitinhos mas ordinários. 

TÁ BOM, MAS COMO FAZ PRA SAIR DESSE BURACO?

Sempre que a gente entra nessa discussão, voltamos pra aquele ponto de: eu já entendi que isso foi colocado na minha cabeça, mas então eu tenho que começar a sair com gente que não me atrai? Não! Jamais se force a fazer nada, pelamor! Mas comece a se dar o benefício da dúvida e se permita entrar em um processo de desconstrução interna. Aqui vão algumas dicas práticas:

  1. Detox do feed: Comece fazendo uma limpa em quem você segue porque só porque acha lindo e comece a seguir pessoas que tenham trabalhos, ideias, atitudes que te inspiram. Dá pra encher o feed com mais coisa legal do que só gente linda e tanquinhos definidos. O que a gente consome a cada scroll tem um poder incrível sobre nosso inconsciente e isso vai sutilmente vai mudando as suas referências de beleza. 
  2. Faça um test-drive digital: na próxima vez que você for jogar alguém pra esquerda no Tinder, pense o quanto disso é mesmo SEU gosto e o quanto você foi ensinado a achar isso menos atraente. Aí como quem não quer nada,  dê uma chance e jogue alguém pra direita. Vai que no papo a pessoa se mostre mais interessante e interessada por você que os matches antigos… A neurociência explica que as experiências mudam nossas crenças.Aí você começa a ter memórias de experiências positivas com outros referenciais de beleza e isso vai mudando suas crenças. 
  3. Filtre as amizades: talvez você nem seja uma pessoa que liga tanto pra aparência assim mas tem amigos perto que são mega seletivos e ficam gongando as suas escolhas. Ouça menos essas pessoas ou cante uma música interna (à sua escolha) quando eles forem te criticar. Ter pessoas por perto que dêem o mesmo valor pra aparência que a gente faz um bem danado, inclusive pra nossa autoestima. 

E com muita reflexão e muita calma, seus padrões internos de beleza vão sendo atualizados e de repente, plim, você passa a ver beleza onde não via antes. Muita gente, como o YouTuber Murilo Araújo, conta que depois que mudou suas escolhas,  passou a conseguir muitos mais matches e melhor, construiu relações muito mais afetuosas com os outros e consigo mesmo. Ele diz que foi um movimento revolucionário em sua vida afetiva e que e hoje ele só pensa "por que eu perdi tanto tempo?". Então, nosso recado é: se quiser ser feliz no amor, jogue o seu crush dos sonhos fora! Vai que você se surpreende e descobre que o amor da vida na verdade sempre esteve do seu lado mas você nunca viu ele. 

Se você quer saber como sobreviver à solteirice em tempos de likes para além dos dias de folia, segue a gente no YouTube e no Instagram. Toda semana a gente entrevista solteiros, especialistas e divide nossos aprendizados e teorias. Segunda e quarta estamos por aqui! Manda histórias, questões, dilemas que a gente transforma em pauta!…

Sobre os autores

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia. Comunicadores, puxam assunto até com o poste e são formados como psicólogos de boteco. Há um ano eles conversam com todo tipo de solteiros e especialistas no soltos s.a. um canal de youtube, instagram e, agora blog, pra explorar as dores e delícias dessa vida solta. Ninguém entende de solteirice como eles: já foram convidados pra falar na Casa TPM, na GNT e no podcasts Mamilos e Sexoterapia (aqui em Universa).

Sobre o blog

Um espaço para trocar estratégias para sobreviver à solteirice e aos relacionamentos em tempos de likes. Quando vale ter uma DR e quando podemos deixar morrer no silêncio? O que significa esse emoji? Assistir stories significa? Experts em solteirice e ótimos psicólogos de boteco, André e Carol compartilham dilemas reais de solteiros e mapeiam possíveis caminhos para não perder a sanidade mental nessa era de contatinhos.

Soltos