PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

O que Whindersson e Luísa Sonza ensinam sobre términos amigáveis

Soltos S.A.

29/04/2020 15h17

fonte: instagram Whindersson Nunes

Whindersson Nunes e Luisa Sonza fizeram um post lindo de morrer que quebrou a internet comunicando o fim do casamento, mas não da relação entre eles. É claro que todo mundo fica triste em ver o fim de uma relação que era inspiração pra muita gente… Mas nesse mundo cão dos relacionamentos, nos depararmos com um fim tão maduro e amoroso, é um respiro de esperança! Esse ato de amor é uma prova de que o final da relação formal (ou mesmo informal) não precisa ser sinônimo de fim do carinho, do respeito e do amor.

TÉRMINO NÃO PRECISA SER SINÔNIMO DE QUEBRA PAU.

A gente, que tá na pista há tempos, recebe chuvas de relatos de que está faltando afeto nas relações. E se essa escassez já rola no "durante", o que dirá no fim, não é mesmo? Parece que barraco, traição e sumiço na nuvem de fumaça já fazem parte do imaginário coletivo quando falamos em término. Obviamente todas as nossas horas de novelas e dramas Hollywoodianos consumidos, somadas à experiências pessoais de finais cheios de gritos e rancor, contribuíram para que a gente ficasse preso nessa necessidade de achar culpados e vilões para justificar os finais. Não por acaso, uma chuva de seguidores povoou o feed do ex-casal com comentários maldosos e tentou iniciar uma "caça às bruxas". Já tá na hora da gente entender que existem outros roteiros na vida para além do melodrama, não acha?

Veja também

ALGUMAS COISAS SIMPLESMENTE ACABAM E SE TRANSFORMAM

"A gente sabe que a partir de agora vão inventar centenas de motivos diferentes, mas a única verdade é essa: a gente cresceu, mudou, evoluiu, e seguimos caminhos diferentes, pelo menos por agora. E é só." 

O texto do post, escrito e postado por ambos, diz muito claramente a razão do fim: simplesmente estrada da vida de cada um os levou para direções diferentes. Sabe aquele ensinamento budista de que ninguém se banhará duas vezes no mesmo rio por que, na segunda entrada na água você já mudou e o rio também? O mesmo vale para as relações. Estamos nos transformando o tempo todo. É lindo quando nos transformamos e nos reinventamos como casal; mas é igualmente lindo aceitar que em alguns momentos nossos rios acabarão correndo para direções diferentes. 

TEM HORAS QUE TERMINAR É UM ATO DE AMOR

 

"A gente teve uma vida linda como casal e arriscamos dizer que quase perfeita, tão perfeita a ponto de entendermos que existe um momento que é preciso parar pra não estragar o que foi realmente tão lindo." 

Terminar uma relação pra preservar o que foi construído antes é um ato de amor que requer muita coragem. Dedicamos tanto tempo e energia na construção de uma relação, que se pararmos pra pensar, não faz o menor sentido simplesmente jogar tudo isso fora e bloquear a pessoa da nossa vida. Ou pior (como todos já fizemos) deixar a relação degrigolar naquele looping de brigas e desentendimentos que geram, aí sim, um motivo para o fim de relação. O mais maduro seria realmente que uma das partes (ou ambas) olhasse nos olhos e dissesse "eu te respeito tanto e amo tanto o que construímos,, que prefiro parar por aqui". Como Fernanda Gentil comentou na postagem, "Triste, mas sincero demais".

O FIM DA RELAÇÃO NÃO INVALIDA A HISTÓRIA NEM PRECISA ZERAR O AMOR

Vinicius de Moraes já diria "que seja eterno enquanto dure". Não seria este o exercício de amor e maturidade que deveríamos nos propor em todas as relações?

"A verdade é que só estamos terminando uma fase, acabando sim um casamento, mas jamais o amor, carinho e respeito um pelo outro. Nos amamos e admiramos muito e se inspiramos um no outro a ponto de entender que as vezes a gente precisa parar."

BORA RESIGNIFICAR O "FINAL FELIZ"

E este fim de relação também não precisa significar um fracasso ou um erro, não acham? Teve seguidor maldoso falando "A verdade é que esse relacionamento nunca foi verdadeiro." Sério? Só por que terminou? Olha ai a novela de novo no nosso inconsciente e na língua afiada… Quantas vezes você já não pensou "não deu certo" depois de um término? O que seria "dar certo?" Já tá na hora da gente desapegar do "felizes para sempre" como única opção possível de "final feliz". Pra gente "dar certo" é ter uma relação permeada de amor e respeito, sabendo aceitar que ela vai se transformar. 

Como comentou o DJ Alok "Talvez o que vocês precisam é de um tempo separados pra entenderem que é melhor estarem juntos no futuro… ou não. Mas só o tempo pra trazer essa resposta. O amor não está na posse."  O amor não está na posse, está no cuidado. Esse é um recado válido para nós solteiros. Que tal começarmos a cuidar mais uns dos outros, independente dos tais rótulos das relações? Podemos ser mais humanos, e afetuosos já com o próximo match do Tinder. E se você sumiu na nuvem de fumaça porque cansou de sair com um ex-contatinho, essa dica também vale pra você: que tal aproveitar o exemplo de Whindersson e Luisa e colocar o "ponto final" com carinho? Parabéns Whindersson e Luisa, que vocês continuem se respeitando assim sempre e mostrando que dá pra fazer as coisas de um jeito diferente. 

Se você quer saber como sobreviver à solteirice, segue a gente no YouTube e no Instagram. Toda semana a gente entrevista solteiros, especialistas e divide nossos aprendizados e teorias. Segunda e quarta estamos por aqui! Mande histórias, questões, dilemas que a gente transforma em pauta!

Sobre os autores

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia. Comunicadores, puxam assunto até com o poste e são formados como psicólogos de boteco. Há um ano eles conversam com todo tipo de solteiros e especialistas no soltos s.a. um canal de youtube, instagram e, agora blog, pra explorar as dores e delícias dessa vida solta. Ninguém entende de solteirice como eles: já foram convidados pra falar na Casa TPM, na GNT e no podcasts Mamilos e Sexoterapia (aqui em Universa).

Sobre o blog

Um espaço para trocar estratégias para sobreviver à solteirice e aos relacionamentos em tempos de likes. Quando vale ter uma DR e quando podemos deixar morrer no silêncio? O que significa esse emoji? Assistir stories significa? Experts em solteirice e ótimos psicólogos de boteco, André e Carol compartilham dilemas reais de solteiros e mapeiam possíveis caminhos para não perder a sanidade mental nessa era de contatinhos.

Soltos