PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Rihanna é cobrada pra ter filhos. Até quando mulheres serão pressionadas?

Soltos S.A.

27/07/2020 04h00

fonte: twitter

Essa semana o meme acima viralizou. Katy Perry: grávida; Nicki Minaj: grávida; Beyoncé: 3 filhos e Rihanna "dormindo no ponto". A piada infame na internet traz, como quem não quer nada, um combo com dois dos traços mais tóxicos da vida de uma mulher: o incentivo à competição feminina e a ilusão de que "ganha no jogo da vida" a mulher que chegar ao final do tabuleiro com o carrinho completo com o pininho do marido e dos filhinhos azuis e rosas (referências entregando minha infância anos 80).

Ou seja, além de competir por Grammys e top hits nas paradas de sucesso, o povo tem colocado as divas do pop para batalharem também na "corrida dos bebês" e, segundo uma chuva de comentários na internet, Rihanna estaria ficando pra trás. Sério mesmo que o povo acha que ela está "dormindo no ponto"? Para mim ela pode só estar dormindo plena depois de trabalhar muito, não acham?

Veja também

Fazer a diferença vale menos que fazer bebês?

Rihanna é a artista feminina da música mais rica do mundo e, para mim, o mais legal é que boa parte dessa grana veio de um projeto cheio de propósito e sororidade: em 2017 a cantora revolucionou a indústria de beleza ao lançar a marca de cosméticos Fenty Beauty, que tem como missão entregar "Beleza Para Todos". Eu sei que o slogan parece batido, mas a entrega é simples e totalmente relevante. A marca foi a primeira a trazer 40 tonalidades de base e, assim, fazer com que mulheres, da pele mais clara até a mais escura, pudessem dar match para além dos questionáveis tons "nudes". A marca foi desenvolvida em parceria com o maior grupo de luxo do mundo, o LVMH (Moët Hennessy Louis Vuitton) e Rihanna foi a primeira mulher negra entre os líderes da empresa.

Seguindo na onda de união entre empreendedorismo e empoderamento feminino, a cantora lançou ainda a marca de lingerie Savage x Fenty (dê uma olhada na beleza dessas modelos!), e uma marca de roupas com grades para os mais diversos biotipos. Rihanna disse: "Quero que as mulheres façam suas próprias regras e expressem seu humor, caráter e estilo para elas mesmas, não para os outros. Vamos celebrar o destemor, a confiança e a inclusão". Arrasou Ri-Ri!!! E parte dos lucros são aplicados na educação e saúde através de sua fundação que inclusive doou 5 milhões de dólares pro combate ao Covid. Mas enquanto nossa diva convida as mulheres a se desprenderem das caixinhas impostas e se curtirem como são, as mesmas mulheres a julgam por não estar se encaixando na caixinha da "familinha feliz".

Até quando empreender e empoderar mulheres vai valer menos do que saber trocar fralda? E se essa pressão rola com a Rihanna, imagina com nós, pobres mortais? Assim como nossa diva pop, se você é solteira como eu (e passou dos 30), já deve ter sido sabatinada pela tia Cleyde."Gosto tanto de você… coloquei seu nome no santo, para você arranjar um bom moço, casar e ter filhos", ela me diz, enquanto me dá uma miniatura de Santo Antônio.

 Relógio na tela

E como se não bastasse as pessoas nos pressionarem para ter filhos, elas ainda querem palpitar com qual idade você deve tê-los. Nos comentários do tal meme rolaram coisas como "A Beyoncé teve o 1º filho aos 30, Rihanna tá atrasada" ou "Calma gente, a Nicki tem 37, Ri-ri ainda tem 4 anos de lambuja". Quem tá cronometrando isso? Quem determina a tal idade correta?

Gravidez não é tendência de moda que a gente tem que acompanhar para não ficar pra trás, mas já ouvi a mesma tia Cleyde me dizendo "É uma pena, todas as suas amigas estão com bebês pequenos. Se você estivesse grávida agora seu filho teria mais amiguinhos da mesma idade e você poderia compartilhar suas questões com elas…" É como se eu estivesse atrasada para o vestibular ou para o programa de trainee da "mulher feliz nos moldes esperados", e fosse ser a aluna retardatária que ficaria para sempre sozinha no canto da sala. Já contei aqui que congelei meus óvulos para me tirar esta pressão. Mas haja rebolado pra não surtar a cada vez que ouço um "Não quero morrer sem ser tia avó"

 Bebês não são troféus

É claro que a maternidade é linda e pode ser um sonho para muitas, inclusive para a Rihanna, mas somos mais do que fazedoras de bebês e precisamos desconstruir a ideia de que o filho é o símbolo máximo do sucesso feminino. Nós, que estudamos a solteirice há tempos, vemos como ainda existe esse fantasma de fracasso social, principalmente para mulheres com mais de 30 anos (como eu, Rihanna e talvez você que esteja lendo). Ou seja, você pode ser bem-sucedida profissionalmente, ser uma super filha, amiga, reciclar o lixo, ser inteligente, engajada…. Se for tudo isso, mas estiver solteira e sem filhos, ainda será olhada com pena pelos outros como se tivesse fracassado na vida. Vamos lembrar que o pacote marido e bebê não é garantia de felicidade? Até porque quem é casado e tem crianças bem sabe que isso não significa um passaporte automático para a plenitude.

Tias Cleydes do mundo, por que vocês não desejam que nós sejamos felizes ao invés de desejarem marido e filho? Que a gente possa se inspirar na Rihanna e se permitir ser feliz do nosso próprio jeito, curtindo nossa beleza, nossas escolhas e nossos caminhos. E que possamos dormir plenas como a foto do tal meme, sabendo que a vida é mais do que o tal tabuleiro do "jogo da vida".

Se você quer saber como sobreviver à solteirice em tempos de likes, segue a gente no YouTube e no Instagram. Toda semana a gente entrevista solteiros, especialistas e divide nossos aprendizados e teorias. Mande histórias e dilemas que a gente transforma em pauta!

Sobre os autores

Piranhas românticas, André e Carol são experts em solteirice e partidários do afeto mesmo nas relações casuais. Carol está solteira há 6 anos e já não troca a aula de hot yoga por um date mais ou menos. André está solto monogâmico mas já se esbaldou muito na vida de contatinhos. Publicitários e roteiristas, trabalham com comportamento e conteúdo há anos e decidiram se aprofundar no tema que é assunto da manicure à terapia: como se relacionar hoje em dia. Comunicadores, puxam assunto até com o poste e são formados como psicólogos de boteco. Há um ano eles conversam com todo tipo de solteiros e especialistas no soltos s.a. um canal de youtube, instagram e, agora blog, pra explorar as dores e delícias dessa vida solta. Ninguém entende de solteirice como eles: já foram convidados pra falar na Casa TPM, na GNT e no podcasts Mamilos e Sexoterapia (aqui em Universa).

Sobre o blog

Um espaço para trocar estratégias para sobreviver à solteirice e aos relacionamentos em tempos de likes. Quando vale ter uma DR e quando podemos deixar morrer no silêncio? O que significa esse emoji? Assistir stories significa? Experts em solteirice e ótimos psicólogos de boteco, André e Carol compartilham dilemas reais de solteiros e mapeiam possíveis caminhos para não perder a sanidade mental nessa era de contatinhos.